#ÉPorAíMesmo…

Postado em: julho 25, 2019

#ÉPorAíMesmo…

Novo Mercado de Gás

Novo programa anunciado pelo governo federal, nesta semana, torna o mercado do gás natural brasileiro mais aberto, dinâmico e competitivo. Com isso, tem potencial para reduzir o custo do insumo. E, mais do que baratear o gás, a indústria comemora os efeitos que deve promover na reindustrialização do país, aumentando a competitividade e participação do setor no Produto Interno Bruto (PIB).

“A garantia de que haverá oferta abundante e contínua e preços competitivos para o gás natural é crucial para os investimentos em diversos segmentos industriais”, explica o presidente da CNI em exercício, Glauco Côrte.

Para a CNI, as ações do programa Novo Mercado do Gás buscam corrigir distorções, fortalecer instituições e melhorar o ambiente regulatório, criando um mercado competitivo. Contudo, defende como necessária ainda uma legislação com regras claras para garantir a segurança jurídica dos investidores privados e dos consumidores do novo mercado de gás natural.

Confira no quadro abaixo os pilares, os resultados esperados e os instrumentos para a implementação do novo programa.

 

NOVO MERCADO DE GÁS
PILARES
  • Promoção da Concorrência;
  • Harmonização das regulações estaduais e federal;
  • Integração do setor de gás com setores elétrico e industrial;
  • Remoção de barreiras tributárias.
RESULTADOS ESPERADOS
  • Melhorar o aproveitamento do gás do Pré-sal, da bacia de Sergipe/Alagoas e outras descobertas;
  • Ampliar investimentos em infraestrutura de escoamento, processamento, transporte e distribuição de gás natural;
  • Aumentar a competição na geração termelétrica a gás;
  • Aumentar a competitividade da indústria em seus diversos segmentos, como celulose, fertilizantes, petroquímica, siderurgia, vidro, cerâmica e outros.
INSTRUMENTOS PARA IMPLEMENTAÇÃO
  • Decreto que institui o Comitê de Monitoramento da Abertura do Mercado de Gás Natural – CMGN;
  • Termo de Compromisso de Cessação (TCC) assinado entre CADE e Petrobras para pôr fim ao monopólio de fato da estatal;
  • Resolução CNPE nº 16/2019, contendo diretrizes para a promoção da livre concorrência no mercado de gás natural;
  • Regulações estaduais, incentivadas por programas federais como o Programa de Equilíbrio Fiscal (PEF) e o Programa de Fortalecimento das Finanças Estaduais (PFE), além de comunicação e efeito demonstração;
  • Tributário: Ajuste SINIEF/CONFAZ e outras medidas;
  • Resoluções ANP.

Saiba mais

Leia o estudo Gás Natural: Mercado e Competitividade e conheça as propostas da CNI para o setor.

 

Compartilhar este post