ELIMINAR O PAPEL É MELHOR PARA O MEIO AMBIENTE?

Postado em: setembro 4, 2020

ELIMINAR O PAPEL É MELHOR PARA O MEIO AMBIENTE?

Two Sides América do Norte discute: eliminar o papel é melhor para o meio ambiente?

Muitos bancos, serviços públicos, telecomunicações e outros prestadores de serviços continuam a incentivar (e às vezes forçar) seus clientes a migrarem do papel para os meios digitais, alegando que a comunicação eletrônica é “mais verde”, “salva árvores” ou “protege o planeta” como justificativa.

Só podemos concluir que os CEOs dessas empresas estão:

  • mal informados sobre a sustentabilidade inerente do papel, a pegada ambiental em rápida expansão da comunicação digital ou ambos;
  • confiam nas equipes de marketing que não se preocupam em validar as afirmações ambientais;
  • buscam reduzir custos, ignorando as regras de marketing ambiental estabelecidas da FTCdos EUA e da Canadian Standards Association que dizem que os profissionais de marketing “não devem fazer declarações amplas e não qualificadas de benefícios ambientais como “verde” e que “as declarações devem ser claras, proeminentes e específicas”.

 

Crescimento de dispositivos eletrônicos e lixo eletrônico

Não há como negar que o uso de dispositivos eletrônicos explodiu na última década. De acordo com um estudo do Pew Research Center, a grande maioria dos americanos (81%) possui smartphones em 2019, contra apenas 35% em 2011. Quase três quartos dos adultos dos EUA possuem desktops ou laptops, e cerca de metade possui tablets e leitores eletrônicos. Esse boom resultou em muitos avanços que tornam nossas vidas mais eficientes, produtivas e agradáveis. Mas também trouxe consigo graves e crescentes consequências ambientais, de saúde e econômicas.

De acordo com o recém lançado Global E-waste Monitor (GEM) 2020 , um recorde de 53,6 milhões de toneladas de lixo eletrônico foi gerado em 2019, um aumento de 21% em apenas cinco anos. Para se ter uma ideia, o lixo eletrônico do ano passado pesava até 350 navios de cruzeiro do tamanho do Queen Mary 2, o suficiente para formar uma linha de 76 milhas de comprimento. O GEM descreve o lixo eletrônico como produtos descartados com uma bateria ou um plugue. Pequenos equipamentos eletrônicos, telas e monitores, equipamentos de TI e telecomunicações representaram mais da metade do lixo eletrônico global no ano passado. Os EUA e o Canadá geraram coletivamente 7,7 milhões de toneladas de lixo eletrônico em 2019. Isso equivale a cerca de 21 quilos por pessoa, e quase três vezes a geração per capita mundial de 7 quilos.

O relatório também prevê que o lixo eletrônico global chegará a 74 milhões de toneladas em 2030, quase o dobro do lixo eletrônico em apenas 16 anos. Isso torna esse resíduos o fluxo de lixo de crescimento mais rápido do mundo, alimentado por taxas mais altas de consumo de dispositivos elétricos e eletrônicos, ciclos de vida curtos dos dispositivos e poucas opções de reparo. Muitas pessoas agora veem os dispositivos e eletrodomésticos como descartáveis, simplesmente eliminando-os na hora de uma atualização. Outros podem mantê-los, mas não conseguem encontrar uma maneira econômica de repará-los.

 

Pouco lixo eletrônico é reciclado

O GEM descobriu que apenas 17,4% do lixo eletrônico foi coletado e reciclado globalmente em 2019, com apenas 15% do lixo eletrônico reciclado na América do Norte. A maior parte do lixo eletrônico era despejada ou queimada em vez de ser coletada para reciclagem e reutilização.

Inúmeras substâncias tóxicas e perigosas são encontradas em equipamentos eletrônicos e representam grave risco para o meio ambiente e a saúde humana quando não manuseadas de maneira ambientalmente correta. Uma pesquisa recente citada no GEM descobriu que o lixo eletrônico não regulamentado está associado a um número crescente de males à saúde, desde defeitos congênitos e neurodesenvolvimento alterado até danos ao DNA, problemas cardiovasculares e respiratórios e câncer.

O lixo eletrônico também representa uma grande perda econômica. Quando os dispositivos eletrônicos são simplesmente jogados fora, materiais de alto valor recuperáveis, como ferro, cobre e ouro, são descartados com eles. “Se não podemos reciclar o lixo eletrônico, não estamos devolvendo os materiais ao circuito, o que significa que temos que extrair novas matérias-primas”, diz Vanessa Forti, autora principal do GEM. Estima-se que o valor das matérias-primas em todos os resíduos eletrônicos globais gerados em 2019 foi de US$ 57 bilhões, mais do que o produto interno bruto da maioria dos países.

 

Comunicação eletrônica, consumo de energia e mudanças climáticas

A miniaturização dos equipamentos e a “invisibilidade” das infraestruturas utilizadas leva muitos a subestimar a pegada ambiental da tecnologia digital. Esse fenômeno é reforçado pela ampla disponibilidade de serviços na “nuvem”, o que torna a realidade física de uso ainda mais imperceptível e leva a subestimar os impactos ambientais diretos da tecnologia digital.

Em 2023, a gigante da tecnologia global Cisco estima que a América do Norte terá 345 milhões de usuários de internet (eram 328 milhões em 2018) e 5 bilhões de dispositivos e conexões em rede (3 bilhões em 2018).  O Departamento de Energia dos EUA relata que os data centers dos EUA consumiram cerca de 70 bilhões de quilowatts-hora (kWh) em 2014, representando cerca de 1,8% do consumo total de eletricidade dos EUA. Com base nas estimativas de tendências atuais, os data centers dos EUA devem consumir aproximadamente 73 bilhões de kWh em 2020. Este consumo de energia não inclui a energia necessária para construir, alimentar ou recarregar os dispositivos.

 De acordo com o The Shift Project, um grupo de reflexão sobre a transição do carbono, o consumo de energia necessário para as tecnologias digitais está aumentando 9% a cada ano e a participação da tecnologia digital nas emissões globais de gases de efeito estufa (GEE) pode dobrar para 8% até 2025. The US National  Laboratório de Energia Renovável analisou 113 empresas de tecnologia da informação em 2014 e constatou que apenas 14% da energia consumida era de fontes renováveis.

 

O contraste entre as comunicações eletrônicas e em papel

A magnitude dos impactos negativos resultantes do uso da comunicação eletrônica em comparação com a comunicação baseada em papel deve direcionar aqueles que são comprometidos com práticas de marketing responsáveis.

  • O papel é feito de um recurso renovável – árvores cultivadas ou de florestas geridas de forma sustentável.
  • Com uma taxa de recuperação de 66% nos Estados Unidos, 67% no Brasil e 70% no Canadá, o papel é um dos matérias mais reciclados.
  • A maior parte da energia usada para fabricar papel na América do Norte vem de biomassa neutra em carbono e outras fontes renováveis.
  • A indústria de celulose e papel dos Estados Unidos emitiu 35,7 Mt de emissões de GEE em 2018, o que representou apenas 1,2% do total de emissões diretas dos Estados Unidos.
  • Mais de 90% da água usada para fabricar papel na América do Norte é limpa e devolvida à fonte. No Brasil esse percentual ultrapassa 93%. A maior parte do restante evapora ou permanece em produtos de papel.
  • Az indústrias de papel norte-americana e brasileira têm mostrado melhoria contínua de desempenho ambiental, que está bem documentada.

 

Equipe de Two Sides North America com informações acrescentadas por Two Sides Brasil.

Compartilhar este post