Comunicação impressa e papel: Mitos e Fatos

Postado em: fevereiro 13, 2019

Comunicação impressa e papel: Mitos e Fatos

A indústria gráfica vem passando por muitas dificuldades por conta da crise econômica, assim como tantos outros segmentos. No entanto, há dois aspectos adicionais que têm prejudicado nossas atividades. São um tipo de fake news – mitos que vêm se propagando, mas não têm fundamento. Por um lado, muita gente questiona a eficácia da mídia impressa e acredita que a maioria das pessoas tende a preferir a comunicação digital. Sobre esta última, o site da campanha Two Sides traz os resultados de uma pesquisa feita em dez países mostrando que o público em geral prefere a mídia impressa e nela confia mais.

Outras falsidades têm a ver com o impacto ambiental do papel e da impressão. O mais difundido desses mitos é que para produzir papel é necessário desmatar florestas nativas quando, na verdade, árvores são plantadas para essa finalidade, como acontece no Brasil e em muitos outros países produtores de celulose. Mesmo em países onde se usam espécies nativas, a extração é manejada de tal maneira que as florestas estão crescendo. Claro! Se uma empresa ganha dinheiro fabricando celulose e papel, ela precisa garantir que não vai faltar matéria prima para que o negócio continue viável. Essas empresas se preocupam com sustentabilidade, a começar com a sustentabilidade do próprio negócio.

Todos os dias no Brasil é plantado, em média, o equivalente à área de 500 campos de futebol de árvores para produção de celulose. No total temos hoje 7,8 milhões de hectares de plantações de árvores para diversas aplicações industriais. Além disso, outros 5,6 milhões de hectares de matas nativas são conservados pelas mesmas empresas. Todas essas árvores retiram CO2 da atmosfera e, assim, ajudam a reduzir o efeito estufa.

Outro fato que os potenciais clientes e consumidores em geral precisam saber é que o papel é um dos materiais mais reciclados do mundo. No Brasil, segundo a Associação Nacional dos Aparistas – ANAP – a taxa de reciclagem de papel alcançou 67% em 2017. Na Europa, duas toneladas de papel são recicladas a cada segundo. Além disso papel é biodegradável.

Apesar disso muitas pessoas pensam que mídia eletrônica é menos poluente. No entanto, o setor de tecnologia da informação representa cerca de 2% das emissões globais de gases que causam o efeito estufa. Os data centers que armazenam nossos arquivos e constituem a famosa “nuvem” são cada vez mais utilizados. O apelido nos leva a crer que se trata de algo tão inofensivo quanto as nuvens do céu, no entanto esses data centers consomem enormes quantidades de energia elétrica, muitas vezes oriundas da queima de combustíveis fósseis. Se comparada à demanda de eletricidade dos países num mesmo ano, “a nuvem” seria o sexto maior consumidor, com expectativa de crescimento de 63% até 2020.

Esses fatos precisam ser divulgados amplamente entre o público em geral, para que ninguém deixe de optar pela mídia impressa pensando que esta é pouco eficaz ou que prejudica o meio ambiente mais que a mídia eletrônica. A campanha Two Sides vem se dedicando a descontruir essas e outras fake news.

Sobre Two Sides

Two Sides é um projeto mundial criado em 2008 por membros da indústria de celulose, papel e comunicação impressa. Two Sides promove a produção e o uso responsável da impressão e do papel, bem como esclarece equívocos comuns sobre os impactos ambientais da utilização desse recurso. O papel é proveniente de matéria prima renovável, graças ao plantio das árvores usadas na sua produção. É reciclável e biodegradável. No Brasil o projeto Two Sides é uma realização da ABTG – Associação Brasileira de Tecnologia Gráfica.
Para obter mais informações ou para saber mais sobre Two Sides, entre em contato:

Two Sides Brasil

www.twosides.org.br
twosides@twosides.org.br
www.twosides.org.br

Manoel Manteigas de Oliveira
Diretor técnico da Associação Brasileira de Tecnologia Gráfica – ABTG e da campanha Two Sides Brasil.

Compartilhar este post